DIÁRIO NOTURNO

março 11, 2011 at 1:05 (Crônica)

I

5h30 da manhã, a cidade dorme às vésperas do despertar. Não há razão para se dormir, com tantas ideias desorganizadas que percorrem em jorro a minha cabeça. Sou todo escrita. Se me desprendesse agora desse lápis e do caderno, provavelmente cairia em danação. Sou todo desleixo, e se dissesse que irei me disciplinar, estaria mentindo.

A internet é dispersiva, atrapalha desde o pensamento mais simples até as conclusões avassaladoras. Devo evitá-la. Evito o mundo virtual, esfera envolvente, mas posso – e me parece bastante razoável – ligar o som, que também é oferecido pelo computador (que vive ligado). Escolho Tom Jobim e desligo a tela. Nesse meio tempo de escolha, perco a tranqüilidade proporcionada pelas linhas em constante preenchimento. Tom Jobim não compensa: calo-o com um clique. Tenho 3.525 músicas, tem coisa aí que nunca escutei. Chego ao fim da lista ainda sem saber o que ouvir. Boto The Doors, minha cabeça zonzeia. O efeito passa vagarosamente, o sono evolui com dificuldade e recuadas apavorantes. Valeria a pena tentar dormir agora? Antes, o último cigarro.

E fim.

II

Ainda não.

Quase desequilibro na escada ao descer para buscar fogo. Mesmo sem álcool o meu corpo vacila para os lados. Da janela do quarto, vê-se uma Kombi misteriosa adentrar lentamente a garagem da casa vizinha, em frente. Toda noite, o vizinho desconhecido entra no casebre velho e abandonado – parece que para descarregar algo -, deixa o veículo branco e vai embora. Ele cuida para que não faça barulhos, mas às vezes é desastrado. Parte desta vez em um carro que estava estacionado na rua, logo ao lado da casa. O silêncio retoma o ar, os cachorros estão calmos hoje. Espero o cigarro queimar na ponta de uma piteira preta. Vai amanhecer em breve e o domingo virá. Trago derradeiramente, deixando o quarto enevoado. O tabagista precisa se deitar.

Anúncios

1 Comentário

  1. Olívia said,

    Que conto mais metalinguístico! Nada como escrever sobre o ato de escrever. Um dia ainda descobrirá coisas insípidas sobre o dono da Kombi( eu já desconfio faz tempo )

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: